2005-07-14

O sono de Odin

Li isto num livro, faz anos, não me lembro do título nem do autor (mea culpa):

Algures num futuro talvez longínquo, decorre uma tremenda luta pelo poder na Valhala.
Acautelem-se cristãos, hindus e muçulmanos, os únicos deuses existentes são os viris e sanguinolentos deuses nórdicos.
Odin está velho, exilou-se na Terra, quiçá em Miami, numa casa de repouso, onde contrafeito recebe Thor e os outros em curtas audiências.
É um velho simpático quando usa fralda, mas não se iluda o leitor, continua omnipotente e omnipresente. Só já não se dá ao trabalho. Aliás, a única coisa que quer, e dela depende a sua felicidade diária, é todos os dias uma muda de lençóis, acabadinhos de passar a ferro, com goma e tudo.
Dá que pensar, não?

2 Comments:

Anonymous Nina said...

Dá que pensar, sim. Para que se constróiem impérios em cima de escombros, cadáveres, torturas e todo o tipo de crimes maiores e menores, em cima do futuro das gerações porvir, em cima da destruição deste mundo desmaravilhoso? Não há império que impeça a morte e não há vida para ver a eternidade nefasta que se construiu. É humanamente inhumanamente incompreensível. Pelo menos para mim.

12:47 da manhã  
Blogger guardador_de_rebanhos said...

A felicidade é uma abstracção que se multiplica no real das situações. Ninguém é completamente feliz, mas, felizmente, penso que todos temos momentos de felicidade.
Mas, fazer depender esses momentos de felicidade da infelicidade de outros é algo que não podemos aceitar, embora o possamos compreender.

9:59 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home